Desde 1952, a Ordem de Malta mantem relações diplomáticas com o Brasil, em nível de Embaixador, e atua desde 1957 através das Associações Nacionais.

A “Associação de São Paulo e Brasil Meridional”, desenvolve suas atividades no Centro Assistencial Cruz De Malta.

Na Capital de São Paulo, considerada a 3° metrópole do mundo (atrás apenas da cidade do México e de Tóquio), convivem, lado a lado, bairros muito desenvolvidos em termos sociais, econômicos e culturais e bolsões, que abrigam os estratos da população de baixa renda. São moradias precárias, sem saneamento básico, construídas na maior parte das vezes, em áreas de alto risco. Esses aglomerados urbanos, chamados genericamente de favelas, são tão expressivos em termos populacionais, de extensão territorial e de complexidade que, muitas vezes, se confundem com pequenas cidades dentro da grande cidade.

Essa configuração irregular e precária do espaço urbano faz com que seus habitantes sejam permanentemente vulneráveis a enchentes, incêndios (muitas vezes provocados por curto-circuitos em função de instalações elétricas clandestinas) quase sempre acarretando vítimas, sobretudo crianças e idosos, naturalmente os mais indefesos.

Assim, o Centro Assistencial Cruz de Malta, que se dedica a essa população (a favela mais próxima da Entidade é conhecida como “favela Cruz de Malta”), se defronta com situações dramáticas quase todos os dias, na maior parte das vezes ignoradas pela imprensa.

A missão do Centro Assistencial é evitar a marginalização do indivíduo, quer que seja por doença, falta de capacitação profissional ou qualquer tipo de descriminação.